5 de outubro de 2009

Hit the road, Jack!





A ideia é simples: pegar uma mochila, jogar uma câmera, papel e lápis dentro, e é isso aí. Deixar o celular, o notebook, avisar aqui no blog que em breve vou ter muita história pra contar. Nada de twitter; 140 caracteres não vão conseguir expressar o que eu vou querer dizer! O negócio é praticar o desapego, sacar que tudo é muito inconstante e que você, que acha que sabe de tudo, na realidade não sabe de nada. É ter saudade de quem se ama e ver o quanto é bom ter alguém quem ame você. E mais do que tudo, entender que libertar por muitas vezes é a mais verdadeira - e dolorosa, convenhamos - forma de gostar de uma pessoa.
Sempre fui indecisa, confusa; demoro pra tomar decisões e depois que me resolvo ainda me questiono 2348 vezes se estou realmente certa. E viajar pra mim tem todo um "quê" de dúvida, de pensar em tudo e em todos fora da minha zona de conforto. Não para fugir, e sim para se encontrar. Por isso, talvez, eu queira tanto fazer intercâmbio, mais do que qualquer outro tipo de viagem: porque experimentar um modo de vida totalmente diferente, com pessoas diferentes, enfrentando dificuldades e vivendo coisas que eu jamais viveria aqui - não digo no Brasil; se eu tivesse nascido nos Estados Unidos, não iria querer ficar por lá, também, certeza. A questão aqui é a mudança! - me parece exatamente o significado de viver.


Afinal, a vida é apenas uma série de experiências que podem dar certo... Ou não. E o que a gente pode, aliás, o que a gente TEM que fazer, é torcer para que tudo acabe bem, seja aqui, nos Estados Unidos ou na China.
E, no meu caso, torcer para que a minha tentativa de fuga em nome da aventura não seja frustrada por uma mãe que é grudada nos filhos :)


OBS: o título é uma das mais famosas músicas, se não a mais, de Ray Charles.




PS: primeiro post para o Blorkutando... Hope you like it!

13 arranhões:

Mendy disse...

Menina, vai!!!! Se joga que você não vai se arrepender. eu tive a chance de ir pra Suiça e por vários motivos, deixei passar. Hoje tenho outras prioridades e me arrependo de não ter vivido isso. Vou te seguir pra saber as novidades

B. disse...

Na teoria, é simples. Quando tiver uma oportunidade, vai lá, viaje, pratique o desapego... É melhor tentar do que se arrepender depois. :)

Clara disse...

Nossa. Intercâmbio deve ser uma experiência tão maravilhosa! Mas, pra poucos, neh? Eu, por exemplo nunca teria coragem...

Tomara que você consiga e possa 'praticar o desapego e sacar que tudo é incostante' (muito bonito isso).

Sorte!

'RaiêMacêdo. disse...

Amiga o texto está 'duca', sabia que você escrevia bem amiga, mas não assim!
Espero que eu tenha alguma participação nessa tua tentativa de fuga, nem que seja morando juntas em outro estado.

Lorena disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lorena disse...

Ei linda *--*

obrigado pro ter visitado meu bloguxo a lembrei tem um selinho lá para vc primeiro selinho, do interrogatório !
estou seguindo o seu bloguxo.

bejos sempre que der aparece lá no meu ^^

Naya Rangel disse...

Eu queria fazer isso ... mas tá meio difícil, quem sabe um dia ...
Mas eu se fosse você não pensaria duas vezes, viajar é muito bom ^^

Abraços!

Just Pâmzinha disse...

Muito massa o blog meniina !
Sempre quis fazer intercâmbio, acho que seria uma experiência inesquecível para mim !! Beeijão :*

Just Pâmzinha disse...

Bem, sobre a parceria, achei muito interessante sim !! Pensava em fazer um blog só para garotas, mas sobre cultura pop também vai ser divertido ! Beijos :*

Thali Launé disse...

AHHHH QUE MEGA!
Eu sempre fui e ainda sou doida pra fazer intercambio,, mas acho meio dificil isso acontecer,!
Mas porque não sonhar?
Adoreeeeeeei seu blog *-*

Thali Launé disse...

AHH só pra avisar como adorei mesmo teu blog,, estou te seguindo amr!
Beijoos =*

Laís disse...

Ah, boa sorte com esse novo projeto, espero que volte cheia de histórias.
Essa coisa "on the road", além do próprio livro do Kerouac me lembra o da Polly, do te dou um dado?, os dois com esse mesmo espírito teu!
Acho que tu ia gostar do livro dela, se é que tu não já leu! ;D

disse...

É a melhor coisa que você pode fazer por você. É um engrandecimento interno que mil anos de terapia não te dá.
A liberdade... como diria Lispector, "...sou heroicamente livre...". Faça! E as sensações...essas, nunca as esquecerás.
Beijos, Biah.