28 de novembro de 2009

So baby can't you see? I've got to break free...


Tem dias que eu acordo e penso "A vida é muito curta pra que eu siga todas essas regras". São os dias em que eu faço o meu próprio regulamento, saio escondido, viro latinhas, volto mais tarde. Boto rock de garagem da mais baixa alta qualidade e canto as letras sujas o mais alto que eu puder. Sonho com shows, apartamento bagunçado e apenas um cachorrinho esperando eu e minhas colegas de apê (supondo que eu realmente vá pra Campina Grande, a N., a R. e a F.!) chegarmos de onde quer que estivéssemos: ele não vai nos botar de castigo ou dizer que eu tinha prometido chegar antes de 1h. A liberdade de expressão me permite falar o que eu penso e não deveria: posso dizer sim que o problema é você, meu bem, e não eu. Mas eu quero algo mais. Como diria Clarice: Liberdade é pouco, o que eu desejo ainda não tem nome.
Minha mãe vive dizendo que eu vou ralar um bocado quando for morar sozinha porque tenho que ser mais independente. Veja bem, independência é diferente de liberdade: ela quer que eu lave, passe, cozinhe
e mande correntes de orkut mas não que eu vá a excursões, faça intercâmbio e me vire pra sair à noite. Bom, acho que de tanto medir consequências, acabo sendo impulsiva o tempo todo. Se apronto alguma coisa no sábado, no domingo tô planejando ir "na casa de uma amiga" e chegar mais tarde por causa de um "trabalho". Aí entra a questão da independência - e dos achismos da minha mãe. Independência requer liberdade. O que é proibido é sim mais gostoso, e para saber o que é certo eu tenho que errar. Minha família gosta de me lembrar que não sou livre. Ah, meus queridos. Livre eu sou, tu és, ele é. Pelo menos parcialmente. É claro que muitas vezes nós estamos presos a um medo, um desejo ou uma pessoa, mas é momentâneo. Nascemos para a liberdade, as escolhas, os erros. O fato de termos nossos pensamentos, nossos gostos e teorias (e até nossas rebeldias) mostra que todos nós temos o gene da insanidade-pós-liberdade. E o 1º passo após a liberdade é a independência (imagino que o 2º seja o Nirvana).

Eu tenho um sonho - meio sem noção, admito - de fazer faculdade nos Estados Unidos. Os adolescentes pirados dos seriados fúteis que a gente odeia amar ou ama odiar de lá muitas vezes parecem verdadeiros rockstars com todo aquele sexo, drogas e rock 'n' roll (não que eu seja a favor de drogas, pelamor. Vamos substituí-las por livros, que tal?), e toda aquela independ... Quero dizer, liberdade. Porque a verdade é que eles devem à sociedade. À seus pais com montes de dinheiro e sem nenhum sentimento. Mudei de ideia. Eu não preciso de liberdade: eu preciso de independência. 
Tem dias que eu acordo santa. Aí eu viro de lado, puxo o cobertor, expulso o meu gato de cima de mim e volto a sonhar. Então eu acordo eu novamente, sobressaltada por ter dormido tanto: a reprise de Gossip Girl vai começar em 5 minutos!





PS#1 - andei sumida e inativa até mesmo no Blorkutando e no CDC, mas é que final-de-ano consome todo mundo, né? Dia desses eu desisto da matemática aí fica tudo certo, haha!
PS#2 - a frase do título é da música "I want to break free", do Queen.

6 arranhões:

Lucas Dinizz disse...

Eu tenho um sonho - meio sem noção, admito - de fazer faculdade nos Estados Unidos. [2] me indentifiquei um pouco com o texto e eu gostava de gossip girl, mas começou a odiar, sempre os mesmos dialogos sabe? xxoxo

Laís disse...

"Freedom´s just another word for nothin´left to lose..."

É verdade mesmo, tu descreveu lindamente a diferença entre as duas.

Liberdade pra mim é tipo um porre, dá todas aquelas sensações boas na hora, mas tem sempre a bad trip, né?

A independência que obriga a ponderar, a ter visão de longo prazo, é que me 'libertaria' de verdade, por que seriam as MINHAS escolhas decidindo como eu quero que seja MEU futuro.

(alguns 'porres' inclusos claro. No pain, no gain.)

Ps.1 Eu vim morar fora maisoumenos do mesmo jeito que tu tá indo, é beeemmm ozzy as vezes, mas compensa um tanto. Não me reacostumaria a Garanhuns de novo.

Ps.2 Eu devia criar vergonha e parar de fazer umas quase postagens no teu guestbook né? Hehehe ;D

Michelle da Rocha disse...

oo vei.. voce escreve demais!
Adorei a sua forma de se expressar, suas palavras (Y)
Voce me segue, e eu tb :D


Gostei muito do seu blog \o/
E, parabéns pelo texto!
Acho que descreveu um pouco do que eu quero um dia :X

Clara disse...

Eu sei que é totalmente descabido, mas eu lembrei de uma música da Chiquititas (eu assistia, e vc? :P) que dizia algo assim: "Crescer é ser o dono dos nossos próprios sonhos." Acho que liberdade significa isso, poder fazer SEUS planos, sem ficar pensando nas satisfações que vai ter que dar ou em "como meus pais vão reagir?". Ah, como eu sonho com esse dia!

^^

Jana Barreto disse...

você falou que independência requer liberdade, passa a linha ai que eu assino logo em baixo. rs
Principalmente a familia quer que tenhamos independencia, mas não querem nos deixar respirar. a minha é assim, e a sua acho que também. Desde quando lavrar pratos e afins é liberdade, meu Pai? É po isso que risco filhos no meu futuro, tewnho medo de fazer com eles o mesmo que fazem comigo e isso não é vida, é só ensaio.
a-do-rei o seu post, minha querida. Nota 1000!

Helder Herik disse...

Independência ou morte